Estudos 


VIDA CRISTÃ EQUILIBRADA

Por Pr. Antônio Firmino da Silva Júnior


Texto: "Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados,  com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, procurando diligentemente guardar a unidade do Espírito no vínculo da paz." Ef. 4:1-3

Uma vida cristã equilibrada vem de uma postura correta diante de Deus. Quando uma pessoa conhece realmente a Deus e procura andar de acordo com seus preceitos sua vida terá significado e também segurança. A exortação do apóstolo Paulo aos de Éfeso foi: “andar de modo digno”. Este andar enfatiza um viver cristão equilibrado. O apóstolo após falar sobre a nova sociedade criada em cristo avança para os padrões nos quais esta sociedade deve andar.

O que então seria o contrário de uma vida equilibrada? Seria uma vida sem ética e cujas crenças são fragmentadas. Seria uma vida incoerente. As ações não corresponderiam as suas crenças. No entanto, entendemos que a nossa fé determina nossas experiências. Assim sendo, o que cremos deve fazer parte do nosso viver diário. Esta é a exortação de Paulo. A sua palavra era para que os cristãos de Éfeso vivem o evangelho cotidianamente. Aqui está o equilíbrio: uma vida onde a fé e a prática andam juntas.

Vejamos então algumas verdades sobre uma vida cristã equilibrada:

I - Vida cristão equilibrada é fruto do equilibro do intelecto e emoção

a) O cristão precisa conhecer a Deus – Uma vida equilibrada nasce do conhecimento do Senhor. No livro do profeta Isaías está escrito: Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti (Is 26:3). Não há como pensar em estabilidade, em firmeza se não passar pelo conhecimento de Deus. A Bíblia nos diz constantemente que cada área da vida cristã é dependente do uso cristão de nossas mentes. Conhecer a Deus é essencial para que possamos experimentá-lo e assim que temos experiência com Ele somos levados a andar de acordo com essa experiência profunda e transformadora.

b) O cristão precisa equilibro nas emoções – John Stott afirma que o cristão tem como uma de suas maiores fraquezas a tendência para o extremismo ou desiquilíbrio. É preciso buscar coerência (Ef 4:1) no modo de viver. Tanto o intelecto quanto as emoções fazem parte da constituição humana e ambas precisam estar em equilíbrio. Assim, cabe ao cristão entender que deve controlar suas emoções. Não esqueçamos da experiência dos dois discípulos no caminho de Emaús. Eles sentiram seus corações arderem.  Temos que entender que a verdade não é fria e seca (Stott), pelo contrário, ela faz nossos corações arderem. 

O Cristão deve tomar cuidado quanto aos seguintes aspectos das emoções: - Não se exagerado - saiba que emoção não significa espetáculo. Saiba a hora de expressar suas emoções.
- Ter domínio próprio - mesmo diante da ira, da falsidade, da injustiça saiba se controlar. Evite ações que posteriormente te trarão pesar.
- Não deixar-se levar por emoções pecaminosas – vingança, ódio,
- Ser sensível – não podemos perder essa característica.

II – Perigos de uma vida desequilibrada

a) Incoerência – um perigo da vida cristã – Se a vida do cristão não corresponde a sua fé, certamente algo está errado. Isto trará sérios prejuízos para ele. Primeiro, isto implica em falsidade. Sua vida não está sendo verdadeira. Estar na igreja não é garantia de uma vida pura. É preciso ir muito mais além. Minha fé deve influenciar diretamente a minha vida prática. Aquilo no que eu creio deve estar presente em minhas ações.

b) Inconstância – (Tg 1:8) Uma vida desequilibrada é inconstante. Um cristão que assim vive tende a a não ter estabilidade na fé. Não firma em seus relacionamentos, não é uma pessoa confiável, não tem segurança e torna-se uma pessoa alvo de críticas. Muitos estão vivendo desta forma. Falta um compromisso real com a obra de Deus, com o próprio Deus. Falta uma transformação radical na sua forma de ver o mundo. Uma vida cristã deve ser marcada pela constância, perseverança e pela fidelidade. Estas características fazem com que o indivíduo cresça como pessoa e possa ter crescimento nas diversas áreas de sua vida.

c) Fracasso – Uma vida sem equilibro certamente será marcada pelo fracasso. Este é o resultado de que não persevera ou de quem não sabe controlar sua vida. Não há dignidade, ou seja, não existe honra em uma vida assim. O que de fato fica são lamentos resultantes dos próprios erros. É preciso mudar a direção. Pessoas que estão passando por um momento de desiquilíbrio precisam entender que necessitam de ajuda. Do livro de Provérbios vem a exortação: O simples dá crédito a tudo, mas o prudente atenta para o seus passos. Pv 14:15.

II – Vida cristã equilibra é o modo cristão de viver

Há muitos que estão vivendo de faixada. Não seguem o modelo de Cristo. Sua real condição é deplorável.  Uma vida cristã autêntica deve considerar a relação entre o que se fala e o que se pratica (Mt 23). Se olharmos para a história dos fariseus veremos homens que viviam sem coerência. Falavam sobre um tipo de vida, porém, suas práticas não eram coerentes com o que pregavam.  A vida cristã equilibrada é marcada por um viver caracterizado pelas virtudes cristãs – Humildade, mansidão, longanimidade e amor (Ef 4:1-2)

a) Humildade – esta palavra indica uma pessoa que não que sobrepor a outra. A humildade é uma característica do cristão equilibrado. Não quer saber mais do que o outro. Não quer a posição ou o que é do outro.

A palavra significa humildade de mente, o reconhecimento da dignidade e do valor de outras pessoas, a mentalidade humildade que havia em Cristo, que o levou a esvaziar-se a si mesmo e tornar-se servo. [...] Se, porém, ao invés de fazer tudo para obter o respeito dos outros (que é orgulho), nós lhes dermos nosso respeito ao reconhecermos seu valor intrínseco dado por Deus (o que é atitude humilde), estaremos promovendo a harmonia na sociedade de Deus. (John Stott, p. 105)

Uma vida equilibrada tem como marca uma mente humilde. Isto soa muito forte na época de Paulo, pois para os gregos o orgulho era a virtude e a humildade era fraqueza (Stott, p. 104) O evangelho propõe então uma nova maneira de viver: viver com humildade. Ser humilde não é questão de fraqueza e sim de grandeza e de maturidade.

b) Mansidão - O cristão precisa de moderação. Mansidão fala de uma pessoa que sabe de sua força, porém, ele controla esta força. Isto implica em um modo de vida que não excede a sua força.  Nas palavras de Stott: “é a suavidade dos fortes, cuja força está sob controle”. Não use de sua força para machucar ou maltratar o próximo. Saiba que um cristão maduro saberá dosar sua força em respeito e consideração ao seu irmão.

Quantos não retém sua força e acabam por prejudicar a quem está do seu lado. Daí a importância do cristão ter o fruto do Espírito (Gl 5.21). Um cristão equilibrado sabe esperar, sabe se conter, não exceder. Cuidado para que você não ultrapasse os limites de respeito, consideração e confiança daqueles que estão contigo.

c) Longanimidade – o cristão precisa ser paciente. Ter longo ânimo. Não ser precipitado em suas ações. “Longanimidade é agüentar com paciência pessoas provocantes, tal como em Cristo Deus nos considerou...” (Stott, p. 106). Uma pessoa equilibrada saberá tolerar pessoas provocantes e demonstrará seu padrão de comportamento baseado em Cristo e não no modelo do mundo. Um insensato certamente revidaria a provocação, porém, o que é maduro sabe ser paciente e espera na ação de Deus a seu favor. d) Amor – é fruto do Espírit o (Gl 5:21). É a base das ações do cristão. Assim, uma vida cristã bem sucedida é amorosa. “o amor é a qualidade final, que abrange os quatro anteriores, e é a coroa e a soma de todas as virtudes” (Stott, p. 106)

Conclusão: Não podemos viver um dia a todo vapor e no outro ficarmos estáticos. O evangelho deve ser vivido com coerência, prudência e equilíbrio. Isto implica em ações bem refletidas à luz das Escrituras. Um cristão equilibrado saberá lidar com as questões diárias de sua vida mantendo-se firme nos alvos certos e  dosará sua força utilizando-a apenas nas  horas necessárias. Sua intenção é conhecer ao Senhor e crescer diante Dele. Sua vida crescerá em maturidade à medida que busca a Deus na oração e na Palavra. Não se desvia para outros caminhos pois entende que o mais importante é “buscar a Deus em primeiro lugar”.

Que Deus nos ajude

 

voltar para o índice