Páscoa 

 

 

 

Jesus no Antigo Testamento – Profecias

Texto (tradução - NVI):

Salmos 34.20
20 protege todos os seus ossos; nenhum deles será quebrado.

Comentário:

A crucificação é uma das mortes mais terríveis e cruéis já inventadas com o fim de punir alguém. O condenado tinha seus pés e mãos traspassados por grandes cravos (pregos), e com isso era suspenso em uma cruz. Porém, não era isso que o matava. A pessoa pendurada na cruz tinha como único ponto de apoio o prego que perfurava seus pés, o que devia ocasionar uma dor inimaginável. Por isso, era de se esperar que pouco a pouco o crucificado deixasse seu corpo desfalecer, ficando literalmente pendurado pelos pregos em suas mãos. Tal tensão sobre seus braços, ombros, peito e pulmões, fazia com que a pessoa não conseguisse respirar. Para dar alívio ao tronco e não morrer asfixiada, a pessoa tinha que concentrar seu peso sobre o prego em seus pés e elevar-se mais uma vez. Uma tormenta muito dolorosa que poderia durar dias, dependendo de sua resistência. Jesus fez isso pelo menos sete vezes, já que foram sete o número de Seus brados na cruz. Isso explica o porquê de os ladrões terem suas pernas quebradas (Jo 19.32), pois assim não poderiam adiar a morte por asfixia elevando seu corpo sobre o prego em seus pés. Será que foi coincidência Jesus ter morrido antes de ter Seus ossos da perna quebrados? Não. O apóstolo João nos revela que isso assim aconteceu para que se cumprisse o que está escrito no salmo de hoje (Jo 19.33-36).

Jesus morreu por nós para que vivêssemos por meio dEle. Será que temos honrado a Cristo com nossa vida, como Ele nos salvou com Sua morte?

 

 

voltar para o índice